Chamada para servir

Archive for the ‘Notícias’ Category

A marca do testemunho

Concluímos hoje a série de estudos bíblicos sobre o tema “Identidade Cristã”. A quarta marca dessa identidade é o testemunho. O cristão é uma testemunha.

 

A marca do novo nascimento

Identidade cristã

Continuámos ontem a série de estudos bíblicos sobre o tema “Identidade Cristã”. A segunda marca dessa identidade é o novo nascimento. A grande diferença entre a praticar uma religião e nascer de novo, é a mesma entre fazer umas plásticas, ir ao ginásio, beber umas bebidas energéticas… ou então nascer! Jesus disse a Nicodemos: “aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.”

Ouça e veja o vídeo.

“Ó Deus, submeto-me hoje à Tua Graça sublime, que me trouxe aqui e me despertou. Te agradeço pelas riquezas da Tua misericórdia, pela grandeza do Teu amor, e pelo do poder da Tua graça admirável.”

 

 

 

 

 

A primeira marca da identidade cristã é estar livre do poder do pecado

Identidade cristã

Iniciámos ontem uma série de estudos bíblicos sobre o tema Identidade Cristã. Afinal, quem somos em Cristo? Em tempos de falta de identidade geral, falemos da identidade cristã. Hoje as pessoas não sabem quem são…

 O que é a identidade? Identidade geográfica de origem: a terra onde se nasceu (ser alentejano; ter vindo de África; ser das ilhas; ser emigrante); identidade familiar: de quem é filho; identidade cultural: a cultura em que cresceu (gastronomia; música; vestuário); identidade religiosa: a religião que professa (fé; crenças);

Porém, há quem esteja a viver o poder do reino de Deus mas não lhe pertença. É o caso dos falsos profetas: Mateus 7:21-23. E também há quem conheça e guarde os princípios do reino, mas, ainda assim, não lhe pertence. É o caso do jovem rico: Mateus 19:16-22.

O que caracteriza então a minha identidade cristã? É a minha doutrina? É a liturgia do culto? São os preceitos religiosos? A primeira marca da identidade cristã é estar livre do poder do pecado ou da lei do pecado. Não ser escravo do pecado.

Quando a semente cai em boa terra

se

Concluímos hoje a série de estudo bíblicos sobre a Parábola do Semeador.

(v15): “E a que caiu em boa terra, esses são os que, ouvindo a palavra, a conservam num coração honesto e bom, e dão fruto com perseverança.”

1-Conservar (a semente): preservar, reter, entesourar a semente.

2- Manter (a terra macia) (“coração honesto [ou recto] e bom [sincero]”. Se a semente é boa, se a terra é adequada, o resto depende das condições climatéricas, que não controlamos, porque é Deus que dá o crescimento: “Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento” (1 Coríntios 3:7).

3- Frutificar: A árvore é generosa, ela os seus frutos; o fruto não é apenas prova de natureza (“pelos frutos os conhecereis”) mas também acto de entrega.

4- Perseverar: ficar firme; não ser como a onda do mar: “Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte” Tiago 1:6). Ideia de paciência (resiliência).

Conclusão: Não basta receber a semente (ouvir a Palavra), é preciso conservá-la, retê-la, tratá-la como um tesouro, mantendo um coração recto e sincero.
É preciso agir de imediato na criação de fruto, pelo qual nos havemos de dar aos outros, ficando firmes e sendo pacientes, face às condições do tempo, que não podemos controlar

Oração: Senhor, que a semente da Tua Palavra não seja pisada nem roubada na minha vida, que ela não fique seca e mirrada, nem sufocada em mim, mas que crie raízes e frutifique um fruto maduro e abundante, para minha bênção e Tua glória. Amém.

Aventuras e desventuras duma Semente

A semente sufocada

Aventuras e desventuras duma Semente

Continuámos hoje a série de estudos bíblicos sobre a Palavra de Deus como semente, com base em Lucas 8:4-15.

Desta vez a ênfase foi na Palavra sufocada: (v14): ”E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição”.

O que são os espinhos que sufocam a semente? O espinho dos cuidados da vida. O que são os cuidados da vida? São as preocupações que podem sufocar a Palavra. Mas também o espinho das riquezas da vida. O que são as riquezas da vida? O que mais valorizamos na vida; o que colocamos em primeiro lugar na nossa vida e que pode sufocar a Palavra. E ainda o espinho dos deleites da vida. O que são os deleites da vida? O que nos dá prazer e que pode sufocar a semente da Palavra em nós, em virtude de prioridades desordenadas.

Os espinhos que sufocam a semente da Palavra no nosso coração são as preocupações, as riquezas da vida e os seus prazeres.

E o que significa “não dão fruto com perfeição”? Que o fruto não chega a amadurecer. Esta é a pior situação: parece que deu fruto, mas ele não presta para nada… Quando deixamos sufocar a semente, comprometemos o fruto. Damos uma espécie de “fruto fingido”.

Oração: Senhor, que a semente da Tua Palavra não seja sufocada em nós, mas crie raízes e frutifique, que dê um fruto maduro e com perfeição.  

 

 

A Igreja do Jubileu ao serviço da comunidade

IMG_20170623_101554

A nossa igreja cedeu gratuitamente mais uma vez o auditório principal para os ensaios e festas de fim de ano lectivo da Escola das Laranjeiras (Jardim de Infância e 1º. Ciclo), nos passados dias  22, 23, 26 e 27. O auditório ficou repleto com as crianças e seus familiares. Os alunos foram estimulados a doar produtos alimentares e outros para as famílias carenciadas e apoiadas pelo Projecto SOS Bebé, da nossa associação sem fins lucrativos (“Jubileu Mais”). A Igreja do Jubileu sempre ao serviço da comunidade.

 

A Palavra mirrada

Aventuras e desventuras duma Semente

Hoje prosseguiu a série de estudos bíblicos sobre a Palavra de Deus como semente, com base em Lucas 8:4-15.

Desta vez a ênfase foi na Palavra mirrada: (v13) “E os que estão sobre pedra, estes são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria, mas, como não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, e no tempo da tentação (tribulação) se desviam”.

Quais são as pequenas pedras que estão na terra lavrada? Por exemplo, a pedra da dúvida, a pedra do desânimo ou a pedra da tribulação.

E o que significa criar raiz? Tem que ver com inserção, segurança, comunhão.

  1. Comunhão com Deus, que tem 2 vertentes: Conhecer Deus e ter intimidade com Ele, e conhecer-me a mim e trabalhar a minha mente e coração na Sua presença;
  2. Comunhão com os irmãos (proximidade, suporte, adoração comunitária; modelação).

Conclusão: A raiz é que faz a diferença. O cristão desenraizado, não só não dá fruto, nem se reproduz, como ainda mirra espiritualmente.

 

 

Homenagem às vítimas da catástrofe de Figueiró dos Vinhos e intercessão pelos seus familiares

IMG_1756 (2)

Esta manhã, na Jubileu, começámos por interceder a Deus pelos familiares das vítimas da catástrofe de ontem em Figueiró dos Vinhos, porventura a de maiores custos em termos humanos durante muitos anos. A Margarida Brás tocou uma peça clássica no piano em homenagem aos mortos e feridos.

Aventuras e desventuras duma Semente

Iniciámos hoje uma série de palestras bíblicas sobre a Palavra de Deus enquanto semente, e todas as implicações que a metáfora tem para aqueles que a ouvem. Tal como a semente, a Palavra tem potencial para dar fruto. Segundo os dicionários, semente é “a parte do fruto própria para a reprodução”; assim, a Palavra de Deus é própria para se reproduzir”. Mas também é “o óvulo maduro e já fecundado”; a Palavra de Deus não precisa de amadurecer. Está pronta para a reprodução. Além disso já foi fecundada pelo Espírito Santo.

Esta primeira reflexão foi sobre a Palavra pisada e roubada (Lc 8:5; 12).

IMG_1760 (2)

 

Visão e estratégia

IMG_1753 (3)

Esta manhã fomos abençoados pela presença e pregação do Pr. Fernando Caldeira da Silva (África do Sul), que se referiu ao profeta Ezequiel quando, no exílio da Babilónia, no meio do cativos, junto ao rio Quebar, recebeu uma visão de Deus, mas também uma estratégia para a restauração do povo judeu. Ainda hoje se “abrem os céus” e Deus dá visão e estratégia ao seu povo.

O Pentecostes como celebração de toda a provisão divina

pentecostes hoje

o Pentecostes não nasceu com os pentecostais, nem significa apenas baptismo ou revestimento do Espírito Santo ou o exercício dos dons espirituais. É muito mais do que isso. A grande lição do Pentecostes cristão é que a provisão espiritual também vem de Deus, tal como a natural. O mesmo Deus que providenciava dons naturais (as colheitas), providencia agora os dons espirituais ou carismas.

Não se espera que os cristãos celebrem a Festa das Colheitas. Já não vivemos no tempo da lei de Moisés, mas no tempo da Graça. A nossa Festa das Colheitas, o nosso Pentecostes, é celebrar todos os dias que TODA a provisão vem do nosso Deus, tanto os dons naturais como os espirituais, tanto o material como o espiritual. Mas a ênfase bíblica não é no carisma mas no carácter.

O Pentecostes vem desde a Festa das Colheitas, no Antigo Israel, passa pelo Cenáculo, na Jerusalém do I século, passa pelo movimento pentecostal moderno (que surge no início do séc. XX), e chega até hoje.

IMG_1739 (2)

 

“Life Sound Choir” encerrou celebrações dos 70 anos da Igreja do Jubileu

IMG_1722 (2)

Ontem a Igreja do Jubileu encerrou as celebrações do seu 70º aniversário, que decorreram durante este mês de Maio, com a visita do inspirador Life Sound Choir, grupo musical composto por elementos de diversas igrejas evangélicas, dirigido por Armando Miguez.

Entre montes e vales

O Pr. Brissos pregou sobre a um dos grandes problemas das pessoas de hoje, que é a falta de firmeza e de consistência, a ausência de convicções, a inconstância. Um dia no cimo da montanha, outro no vale. Dizem que é uma característica dos portugueses, que passam rapidamente da euforia à depressão e vice-versa. A perturbação bipolar cristã é uma doença espiritual.

IMG_1733 (2)

 

Imagem

É já este domingo (dia 28) na celebração dos 70 anos da Igreja do Jubileu

lsc

Misericórdia em vez de sacrifício

cul

No passado domingo reflectiu-se no significado do texto do profeta Oseias, capítulo 6.

O profeta Oseias (significa “Salvação”) escreveu no séc. VIII a.C., nos últimos dias do reino de Israel, que vivia próspero mas em idolatria, imoralidade e injustiça.

Há quem defenda ser este o livro do Antigo Testamento que mais expõe o coração de Deus. Simbolicamente Oseias casa-se, mas a mulher torna-se adúltera. Ele sofre com a infidelidade dela, mas ainda mostra misericórdia e recebe-a de novo. Da mesma forma Deus viu a sua noiva, o povo de Israel, a envolver-se com “outros deuses”, ou seja, cometendo adultério espiritual. Ainda assim Deus revela graça e misericórdia para perdoar a esposa adúltera e estabelecer nova aliança com ela.

Na sua mensagem, Deus diz: “quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos” (v6). Porquê? Qual é o perigo do sacrifício? No tempo antigo era um símbolo da necessidade de satisfazer a justiça de Deus (“Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados”). Mas depressa foi transformado num ritual despojado de significado. O sacrifício não era um fim em si mesmo, mas um sinal, um símbolo. Deus quer que nós possamos crescer espiritualmente e entender que a misericórdia e o conhecimento de Deus são mais importantes do que o sacrifício. Paulo diz que a lei de Moisés era uma espécie de aio para nos conduzir a Cristo.

Sacrifícios, rituais e práticas religiosas não são o que Deus espera de nós. Ele quer mesmo é o nosso coração. Que possamos conhecer Deus e exercer misericórdia para com o nosso semelhante. “Quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos”. Que Deus nos ajude a focar no que é importante.

A Igreja do Jubileu está a celebrar 70 anos de existência. Depois do culto realizou-se um almoço de aniversário no Cenáculo, que constituiu um tempo muito especial de comunhão.

a1 (2)

 

 

 

 

O verdadeiro (e único) altar do mundo

O altar do mundo

Reflexão bíblica sobre o único local que pode ser considerado o altar do mundo: o Calvário, onde Jesus se entregou a si mesmo por nós, tornando-se o Redentor da humanidade, e que não pode ser substituído nunca por qualquer santuário humano, mariano ou não.

1 Timóteo 2:1-5: “Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade; Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.”

 

 

Há resposta para a depressão

Abatidos...

 

Tema da reflexão bíblica esta manhã, na Jubileu, que contou com um momento de referência ao Dia da Mãe, em homenagem a todas as mães.

Segundo a imprensa: “As estimativas da OMS mostram que, em 2015, 788 mil pessoas cometeram suicídio, correspondendo a 1,5% de todas as mortes em todo o mundo. Foi inclusive a segunda principal causa de morte entre os 15 e os 29 anos. Em Portugal, dados de 2014 divulgados pela Direção-Geral da Saúde mostra que a taxa de suicídio passou para 11,7 por 100 mil habitantes, quando em 2012 e 2013 tinha sido de 10,1 por 100 mil habitantes. O suicídio é a segunda principal causa de morte entre os 15 e os 29 anos”. Há 300 milhões de pessoas deprimidas no mundo. Em Portugal são cerca de 400 mil… A depressão será, dentro de alguns anos, a primeira doença em todo o mundo. Porquê? Porque as pessoas estão a viver contranatura.

A boa notícia é que Deus tem resposta para este problema. A Bíblia menciona muitos homens e mulheres que tiveram quadros depressivos: Ana sentiu-se “amargurada de alma” — uma expressão que significa ‘aflita’ e ‘muito triste’, por não conseguir engravidar (1 Samuel 1:10). O profeta Elias ficou tão triste a ponto de pedir a Deus que tirasse sua vida, por Jezabel querer matá-lo (1 Reis 19:4). Jonas ficou triste e desejou morrer quando a aboboreira secou (Jonas 4:8).

Por vezes somos abatidos mas não destruídos, pois podemos contar sempre com o nosso Deus para nos restaurar.

 

 

 

 

 

 

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: