Chamada para servir

Archive for the ‘Fé e Espiritualidade’ Category

Josué: a construção dum altar

Josué foi chamado por Deus para uma tarefa, recebeu d’Ele uma estratégia, enfrentou o primeiro grande teste: a passagem do Jordão. Depois estabeleceu uma aliança com Deus em Gilgal, alcançou uma grande vitória em Jericó, mas logo a seguir sofreu uma amarga derrota na pequena cidade de Ai… Mas agora, depois de retirada a maldição do arraial de Israel, Deus declara a Josué que lhes entregará a cidade nas mãos.

Só depois desta experiência, num primeiro momento: de fracasso, e depois: de vitória, é que Israel estabelece o culto ao Senhor (8:30-35). Essa é a razão porque muitos só vêm a Deus quando se sentem impotentes para lidar com as adversidades da vida.

Este altar tinha características singulares. Foi o tema da Celebração da Palavra esta manhã, na Jubileu.

Anúncios

Doris Akers – Sweet Sweet Spirit (Live)

Reflexão da semana – “A paz possível”

Josué: o fracasso de Ai

Josué foi chamado por Deus para uma tarefa, recebeu d’Ele uma estratégia, enfrentou o primeiro grande teste: a passagem do Jordão. Depois estabeleceu uma aliança com Deus em Gilgal, alcançou uma grande vitória em Jericó, mas agora sofreu uma amarga derrota na pequena cidade de Ai… Mas porque fracassou Israel em Ai? Por diversas razões. Foi o tema da Celebração da Palavra esta manhã, na Jubileu.

Reflexão da semana: Discriminação

Josué: a vitória em Jericó

Josué foi chamado por Deus para uma tarefa, recebeu d’Ele uma estratégia, enfrentou o primeiro grande teste: a passagem do Jordão. Depois estabeleceu uma aliança com Deus em Gilgal, e agora vem a alcançar uma grande vitória em Jericó. O que aconteceu em Jericó? Foi o tema da celebração de Ceia do Senhor desta manhã, na Jubileu.

 

Ao Deus de Abraão, louvai!

 

Thomas Olivers, tendo ficado órfão muito cedo, frequentou quando criança más companhias que o transviaram a ponto de, aos 15 anos de idade, ser considerado o pior rapazinho do lugar. Ajudante de sapateiro, viu-se obrigado a abandonar a cidade em que morava por motivo de sua grande maldade.

Certo dia, porém, ouviu pregar o evangelista Whitefield e converteu-se. Arrependido de seus pecados, seu primeiro ato foi retornar à cidade em que nascera e vivera a sua juventude para pagar todas as suas dívidas.

Desejando comunicar a outros as boas novas da salvação, tornou-se pregador itinerante. Travou relações de amizade com João Wesley, com quem colaborou durante anos.

Uma noite, em Londres, atraído pela voz de um grande cantor, Leoni, entrou numa sinagoga judaica. A melodia entoada era bela e o timbre da voz, atraente. De regresso a casa, resolveu transformar em hino cristão a ser cantado com essa música a letra original, Yigdal, doxologia hebraica de Daniel Ben Judah datada do século 14, o que realmente fez.

Roberto Moreton, que por longos anos missionou em Portugal, traduziu-o para o português em 1896. Encontra-se em Salmos e Hinos sob o número 232. Ei-lo a seguir:

 

Ao Deus de Abraão louvai,
Do vasto céu Senhor,
Eterno e poderoso Pai e Deus de amor,
Augusto Jeová,
Que terra e céu criou!
Minha alma o nome exaltará
Do grande “Eu Sou”.

Ao Deus de Abraão louvai;
Eis, por mandado seu,
Minha alma deixa a terra e vai gozar no céu.
O mundo desprezei,
Seu lucro e seu louvor
E Deus por meu quinhão tomei
E protetor.

Meu guia Deus será;
Seu infinito amor
Feliz em tudo me fará, por onde eu for,
Tomou-me pela mão,
Em trevas deu-me luz,
E dá-me eterna redenção
Por meu Jesus.

Meu Deus por si jurou;
Eu nele confiei;
E para o céu que preparou eu subirei.
Na glória eu o hei de ver,
Confiado em seu amor,
E para sempre engrandecer
Meu Redentor.

Fonte: Ultimato.

Reflexão da semana: Responsabilidade individual

Josué: a aliança com Deus

Josué foi chamado por Deus para uma tarefa, recebeu d’Ele uma estratégia, enfrentou o primeiro grande teste: a passagem do Jordão. E agora Deus quer estabelecer uma aliança com o “povo do deserto”, renovando a velha aliança que estabelecera com o povo hebreu, os seus antepassados. Como é que Deus estabeleceu essa aliança com o povo? E que exemplos e ensinamentos podemos retirar daí para nós hoje? Foi o tema da celebração desta manhã, na Jubileu.

 

‘No Longer Slaves’

Reflexão da semana: Quem matou Jesus Cristo?

A primeira grande prova de Josué

Hoje continuámos a série de estudos bíblicos baseada no Livro de Josué. Josué foi chamado por Deus para uma tarefa, recebeu d’Ele uma estratégia e agora enfrenta o primeiro grande teste: a passagem do Jordão. O rio tinha grande caudal na direcção de Jericó e o povo era muito: homens, mulheres, crianças, velhos e animais. Só homens adultos capazes de combater (“homens de guerra”) eram cerca de 40 mil (4:13). Nós temos um Deus que gosta de abrir caminhos. Seja no deserto ou no mar.

 

No “Momento com…” ouvimos o testemunho de Matilde Mendes, em forma de entrevista, que abençoou a igreja.

mat

 

Cristãos em Aleppo juntos em oração, 2016

pauta

Meditação da semana: “Amar a vida”

A estratégia de Josué

Hoje continuámos a série de estudos bíblicos baseada no Livro de Josué.

O processo de conquista implica uma estratégia. Qualquer militar sabe isso. A vida não é um jogo de sorte e azar. Tudo tem uma estratégia. Também no reino de Deus. Ex: Abraão, Moisés, David, José, Paulo. Jesus enviou os discípulos 2 a 2 e deu-lhes instruções – uma estratégia. Jesus ensinou que antes de construir uma torre há que fazer contas – uma estratégia. Ter uma estratégia não significa não ficar sensível ao E. Santo, a cada momento. Se tens uma chamada de Deus (todos temos) procura uma estratégia. Vamos pedir a Deus que nos mostre a estratégia certa para o tempo certo.

 

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: